posts recentes
arquivos

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
14
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


tags

todas as tags

Segunda-feira, 19 de Abril de 2010
Especificação técnica + gráfica

Especificação Técnica:

- Modelo/arquitectura de sistema

- Mapa de navegação

- Fluxograma de funções

- Base de Dados

 

Especificação Gráfica:

- Nome + Logotipo

- Composição de todos os ecrãs únicos

- Estudo de grelha

- Especificação Cromática

- Estudo tipográfico

- Biblioteca de ícones e controlos

 

Este post é em nome de todos os elementos do grupo
João Elvas | Martim Santos | Renato Costa | Ricardo Carvalho | Tiago Figueiredo


tags:

publicado por renato-costa às 23:22

editado por ricardodcarvalho em 20/04/2010 às 04:223

Sexta-feira, 16 de Abril de 2010
Fluxograma Preliminar

Este é o fluxograma preliminar ajustado à nova configuração do layout da aplicação. Provavelmente ainda necessitará de alguns ajustes, mas gostaríamos de ter algum feedback dos professores... ou alunos.

Fluxograma

Este post é em nome de todos os elementos do grupo João Elvas | Martim Santos | Renato Costa | Ricardo Carvalho | Tiago Figueiredo


tags:

publicado por ricardodcarvalho às 06:05
2

Segunda-feira, 12 de Abril de 2010
Modelo da Base de Dados

Olá a todos.

 

Serve o presente post para publicar a versão actual da base de dados. Provavelmente ainda necessitará de alguns ajustes.
Qualquer feedback é bem vindo.

 

 

Cumprimentos!

 

 

Download do ficheiro MWB workbench

 

 

Este post é em nome de todos os elementos do grupo
João Elvas | Martim Santos | Renato Costa | Ricardo Carvalho | Tiago Figueiredo

 


tags: ,

publicado por renato-costa às 01:10
1

Quinta-feira, 8 de Abril de 2010
Estudo de design de interfaces para TV

No seguimento de indicações dadas pelos orientadores, segue uma primeira abordagem relacionada com o design de interfaces para TV.


Após a análise de alguns documentos fizemos um resumo da informação que achamos mais pertinente. 


 


Questões de usabilidade e acessibilidade das interfaces


Trazer a interactividade para a TV significa transformar um telespectador, que até então apresenta um comportamento passivo em relação ao que é exibido na TV, num utilizador activo, que pode realizar escolhas navegando pelo programa, pela programação e enviando informações.


 

Interactividade na TV


 Para que a TV digital interactiva possa ser usufruída nas TVs analógicas convencionais é necessário o uso de uma set-top box que, além de executar as aplicações, também faz a recepção e conversão do sinal digital para o analógico usado pela TV.

Segundo Montez e Becker, o módulo de execução das aplicações interactivas na set-top box possui uma arquitectura muito semelhante à de um computador pessoal. Na maioria dos casos, a set-top box possui um middleware, que é uma camada de software que permite que uma mesma aplicação seja executada em diversas marcas e modelos desse equipamento.


 

Guias de Estilos e Recomendações de Design


• Uso de selectores destacados;


• Evitar o uso de símbolos gráficos;


• Uso de textos curtos para explicar na tela os passos que devem ser seguidos pelo utilizador (não usar a ajuda para essa finalidade);


• Navegação por números, cores ou símbolos (associados ao telecomando).


 


Princípios


Descrição


Interacção oportunista


A interactividade não deve ser imposta ao utilizador, mas sim convidativa.



Navegação e Selecção de conteúdo


A procura de conteúdo não deve ser tratada como uma busca por informação, mas como uma actividade de exploração descontraída.



Visão de grupo


A TV deve ser vista como uma media colectivo e as aplicações devem possibilitar a interacção entre os grupos.



Múltiplos níveis de atenção


As aplicações não podem exigir que o utilizador esteja focado naquela actividade enquanto ocorre a interacção.



Gramática e estética de TV


Elementos gráficos de PC devem ser evitados e elementos de TV como animações e efeitos dinâmicos devem ser preservados.



Comunicação de conteúdo enriquecido


O utilizador gosta de compartilhar com outros a experiência de um conteúdo assistido. Assim, aplicações devem permitir a comunicação entre grupos de utilizadores.



 

 

Identificação dos POD’S


Princípios Orientadores do Design de Interfaces


 

Factores Comportamentais do Espectador/Utilizador (nível funcional)


Níveis de atenção (Refere-se aos diferentes níveis de atenção que um utilizador pode assumir. Dando relevância a avisos sonoros, aquando de actividades importantes)


Predisposição à interacção (A interacção não deve ser imposta)


Visionamento (O espectador/utilizador pode estar sozinho, como estar na presença da família ou de amigos. Aqui entram questões como a privacidade e a facilidade de interacção e tempo de resposta são muito importantes)


Selecção de canais (Planeada ou súbita. Relaciona-se com a facto de o espectador/utilizador ter um conjunto de canais interiorizados que gosta de ver. Por outro lado, existem também espectadores/utilizadores (jovens) que procuram coisas novas, onde essa selecção não é tão linear)


Mensagens de erro (as possibilidade destas mensagens aparecerem devem ser reduzidas ao máximo, sob pena de causarem perturbações na interacção)


Preferência ao programa de televisão

Tipos de disposição espacial em relação ao conteúdo televisivo:


. Sobreposta;

. Embebida;

 


INTERFACE


VANTAGENS


DESVANTAGENS


SOBREPOSTA


- O tamanho da janela de vídeo mantém-se;

 

- O conteúdo adicional tende a ficar mais integrado no programa televisivo;


 

- A proximidade entre o conteúdo televisivo e o conteúdo adicional pode facilitar a divisão da atenção.



- O conteúdo adicional pode perturbar, pelo facto de tapar o conteúdo televisivo;


 

- Os utilizadores tentam ver através do conteúdo adicional;


 

- A proximidade entre conteúdo televisivo e o conteúdo adicional pode dificultar a focalização da atenção.



EMBEBIDA


- Facilita a separação entre o conteúdo televisivo e o conteúdo adicional, assim como a divisão da atenção do utilizador por cada um deles;


 

- Torna-se vantajoso nas situações em que o utilizador está em grupo e o conteúdo adicional que pretende ver é outro vídeo.



- Dimensão reduzida do conteúdo televisivo;


 

- Pode ser dada atenção ao conteúdo adicional quando esta não é necessária.



 


Tempos de resposta (traduz-se na rapidez com que o utilizador pretende aceder a determinado conteúdo, sem necessidade de muitos cliques)


Modos de interacção (utilização de menus simples, verticais ou horizontais. Nunca usar menus drop-down, típicos do domínio computacional)


 

 

Factores Técnicos (televisor e telecomando)

Área útil de ecrã (corresponde á área total do ecrã menos a espaço ocupado pelas margens de segurança sensivelmente 30px)


                Informação irrelevante (Como os televisores tem uma resolução baixa em relação aos                         computadores, existe a preocupação em seleccionar apenas a informação relevante)


Padrões e cores (Evitar cores muito saturadas como vermelho e amarelo; Preferência a                       cores pastéis e azuis)


Fontes e iconografia (O tipo de letra deve ser sem serifa, com um tamanho mínimo de 18 pontos. Usar anti-aliasing. Uma das combinações de cores que oferece melhores resultados é a de letras brancas sobre fundos azuis. Os elementos gráficos não devem ter muito pormenor nem dimensões reduzidas)


Correspondência ecrã /telecomando (Os utilizadores, quando usam o telecomando tentam encontrar uma correspondência entre as respectivas teclas e os ícones que vêem no ecrã)


Feedback (Relação com a distância a que o telecomando é utilizado, podendo deixar dúvidas ao espectador/utilizador se as operações foram executadas correctamente)


 

 


CARACTERÍSTICA


TELEVISOR


COMPUTADOR


RESOLUÇÃO SO ECRÃ


- 720x576 com 30 pixels de margem de segurança;Área útil: 576 x 460 pixels.


- Variável (tende a ser 4 vezes superior à da TV)



DISPOSITIVOS DE ENTRADA


- Comando à distância;


- Rato e teclado em cima de uma secretária



DISTÂNCIA DE VISUALIZAÇÃO


- Alguns metros;


- Aproximadamente meio metro;


POSSIBILIDADE DE INTEGRAÇÃO DE OUTRAS APLICAÇÕES NO MESMO DISPOSITIVO



- Emissões televisivas;


- Aplicações produtivas, dados pessoais e dados profissionais;



  


P.S. Gostaríamos de ter um feedback dos orientadores sobre este post, de modo a melhorarmos alguns pontos ou até acrescentar novos conteúdos. 


 


 


 


Este post é em nome de todos os elementos do grupo

João elvas | Martim Santos | Renato Costa | Ricardo Carvalho | Tiago Figueiredo


tags: , , , , ,

publicado por tiagofigueiredo às 19:44

Reunião com os orientadores do projecto YMT de 6 de Abril de 2010

Nesta reunião discutiu-se essencialmente sobre objectivos e fomos alertados no sentido de dedicar mais atenção á nossa calendarização de tarefas. Apresentámos também,  pequenos testes referentes á navegação com um pequeno exemplo da utilização das teclas direccionais do telecomando no simulador. Voltou-se a falar da possibilidade termos o nosso próprio servidor com streaming a correr e do hardware necessário em falta.

Devido ao tamanho final da nossa video-demo tivemos que recorrer a uma versão muito pobre a nível de qualidade para fazer o post no blog. Nesta reunião pudemos apresentar a versão original da demo aos orientadores (a qual estava muito mais legível) e fazer uma análise crítica da mesma. Chegámos à conclusão que apesar das intenções “serem boas” não estamos seguros de que o tipo de navegação apresentado esteja próximo da realidade, no entanto, poderá ser possível arranjar soluções muito próximas ou mesmo outras que satisfaçam os nossos objectivos.

Depois desta análise fez-se um apanhado dos conteúdos que poderiam despoletar maiores dificuldades.



1. o problema do controlo do focus na aplicação. O problema com as teclas direccionais do telecomando é que quando se pressiona uma tecla em qualquer direcção ela seleciona o elemento mais próximo da última posição. Ou seja, independentemente do nível em que nos encontremos temos que encontrar a solução adequada para que estas reconheçam esse nível e naveguem apenas nesse nível, caso contrário selecionarão o objecto mais próximo na direcção desejada independentemente do nível onde se encontra. Especificando, se considerarmos o nivel de topo o menu principal o qual se percorre em 4 cliques, e considerarmos também que dentro de cada item de menu principal existem outras opções (nivel de sub-menu) o telecomando não faz á priori essa distinção e navegará como se de um só nível de profundidade se tratasse.





2. saber exactamente o que queremos fazer com a aplicação para iniciarmos a construção da  nossa base de dados. Existem funcionalidades que pretendemos implementar que ainda não temos a certeza se são passíveis de serem implementadas e também sabemos que enquanto não estiverem definidas não podemos partir para o desenvolvimento da aplicação na sua totalidade nem partir para a execução do próximo milestone. È necessária a afinação dos requisitos e especificações técnicas(navegação, acesso e utilização de webservices e principalmente os objectivos da aplicação)



 


Este post é em nome de todos os elementos do grupo

João elvas | Martim Santos | Renaco Costa | Tiago Figueiredo | Ricardo Carvalho


tags: , , , , , , , ,

publicado por joaoelvas às 00:11